Uma salada para seu gatinho – dica para catlovers

Quem tem gato já deve ter notado que o bichano curte comer uma graminha ou mordiscar suas plantas ornamentais. Isso acontece porque gatos são animais muito inteligentes que sabem que salada faz bem para a saúde. Ok, não é bem isso, mas é quase: as fibras vegetais colaboram na digestão, ajudando a eliminar bolas de pelos. Por isso, instintivamente, os gatinhos procuram ingerir plantas.

Acontece que existe uma extensa lista de plantas e flores que podem fazer mal à saúde do seu gato, dentre elas a poinsétia (aquela folhagem vermelha comum no Natal), o antúrio (a flor do Jorge Tadeu, para quem tem idade para ter visto essa novela da qual eu – cof – apenas ouvi falar), azaleia, orelha de elefante e várias outras. Confira algumas plantas potencialmente tóxicas aqui e aqui.

O melhor a fazer é providenciar uma graminha saudável para seu gato. É moleza! Você pode comprar numa pet shop sementes específicas, pode também ser alpiste, ou, a que usei, milho de pipoca! Só não pode ser de micro-ondas, que já vem com óleo.

Do que você vai precisar:

– Um vaso ou floreira;

– Terra adubada;

– Milho de pipoca;

– Um gato ou quantos você preferir.

Como fazer:

Eu comprei uma floreira de plástico. Algumas “gateiras” experientes dizem que, se você exagerar nas regas, o milho pode mofar. Se o vaso for de plástico, é mais fácil lavar e reutilizar. Mas você pode usar o que tiver aí. Dá até para improvisar cortando a lateral de uma garrafa pet.

Coloquei um tanto de terra, espalhei alguns grãos de milho, cobri-os com o restante do pacotinho de terra que eu tinha e reguei. Para evitar que mofe, regue dia sim, dia não. Mantenha afastado do gato por uns dias, ou ele pode fuçar o vasinho cedo demais e destruir antes que brote a grama.

Aqui em casa levou uns cinco dias para chegar a um tamanho adequado. Depois cresceu bem mais do que é possível ver nas fotos, mas não tenho outras mais recentes aqui comigo. Feito isso, coloquei a floreira ao lado da planta que costumava ser atacada pela Samantha.

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/8e7/68518295/files/2015/01/img_1771.jpg
Sentindo a textura
/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/8e7/68518295/files/2015/01/img_1797.jpg
Sentindo o aroma

 

 

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/8e7/68518295/files/2015/01/img_1800.jpg
Lambendo os beicinhos

 

 

 

 

 

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/8e7/68518295/files/2015/01/img_1798.jpg
Curtindo

 

 

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/8e7/68518295/files/2015/01/img_1799.jpg
Claro que tinha que rolar uma “arte”

Projeto 365 dias: dia 02 – Um projeto DIY e uma visita especial

Uma coisa que adoro fazer é restaurar objetos, reciclar, transformar. Quando o resultado fica bom, a satisfação é em dobro: fico feliz por ter evitado que algo virasse lixo ou entulho, e ainda posso contar para todo mundo: “fui eu que fiz”. 😀

Hoje concluí um projeto DIY (do it yourself, ou, em português, faça você mesmo) que iniciei há alguns dias. Bem na verdade, tudo começou há vários meses, quando, ao sair de um posto de gasolina, vi uma porta de armário jogada fora, e fiz o meu gentil e paciente marido parar e me ajudar a colocar no carro para levar para casa.

Minha ideia inicial era transformá-la numa cabeceira para a cama. Porém, por ser de madeira maciça, ela é muito pesada, e seria difícil fixá-la, suspensa na parede. E, pouco tempo depois, decidimos nos mudar, então a tal porta ficou encostada na área de serviço, enquanto procurávamos o apartamento que iríamos alugar.

Na mudança, contrariando as esperanças do marido, trouxe a porta junto. Já aqui no apartamento, tive a ideia de fazer com ela uma chapeleira. Comecei removendo as dobradiças e vidros, limpei, lixei e pintei com tinta spray na cor branca. E ficou péssimo. Não somente porque errei a mão na pintura e deixei alguns defeitos, mas porque aquela porta branca na parede branca realmente não ficou legal. Ela passou mais uns meses encostada na área de serviço, sendo escalada pela minha gata Samantha, que deixou várias marcas de patinhas ao longo da estrutura.

Um dia, finalmente, tive a ideia de revesti-la de tecido. Comprei uma chita bem colorida e barata. Comprei também 4 ganchos e 4 puxadores de gaveta, daqueles de porcelana, para figurarem também como ganchos. Revesti ainda uma pequena prateleira que eu já tinha, para ficar no topo da chapeleira e colocar vasinhos de plantas.

Nos últimos dias, com a porta já inteira revestida, meu marido me ensinou a usar a furadeira e outras ferramentas para fixar os ganchos e a prateleira, o que foi bem divertido. Hoje, finalmente, terminei minha obra, e fiquei super feliz com o resultado! Veja o antes e depois:

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/8e7/68518295/files/2015/01/img_1793-0.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/8e7/68518295/files/2015/01/img_1794-0.jpg

Na parede atrás do primeiro vão, fixei esses espelhinhos provençais que, desde a mudança, estavam encaixotados, esperando eu encontrar o lugar ideal para eles.

 

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/8e7/68518295/files/2015/01/img_1795-0.jpg

Depois do sucesso do projeto da chapeleira, ajeitei a casa para receber uma amiga querida.

sala de jantar

10395165_10153001184524940_6690444732082990323_n

E assim foi o #dia02 do Projeto 365 dias. 🙂